Volume de serviços avança 0,9% no mês de maio

Fenômeno é o terceiro resultado positivo constatado no setor, nos últimos quatro meses

Segundo Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), pelo portal Agência IBGE, a quantidade de serviços prestados no Brasil avançou 0,9% na passagem de abril para maio, o terceiro resultado positivo do setor nos últimos quatro meses, momento em que acumulou ganho de 3,3%. No mês anterior, houve recuo de 0,1%. Conforme o que foi observado no mês de maio, o setor estava, na ocasião, 8,4% acima do nível anterior à pandemia da Covid-19, em fevereiro de 2020, e 2,8% abaixo do ponto mais elevado da série histórica da PMS, alcançado em novembro de 2014. Os dados foram fornecidos pelo IBGE, no dia 12 de julho deste ano. 

As cinco atividades analisadas tiveram um bom resultado. Segundo o gerente da PMS, o crescimento disseminado pelas atividades se tornou recorrente por conta dos resultados da pandemia da Covid-19. “Antes de 2020, era bem mais raro ver as atividades crescendo de forma simultânea. Isso tem relação com a base de comparação baixa por causa dos efeitos das medidas de isolamento social, especialmente nos serviços de caráter presencial. De lá para cá, com a redução das restrições, essas atividades seguem em ritmo mais acelerado”, explica.

O setor de transportes, com aumento de 0,9%, é um dos que mais refletem a expansão dos serviços no mês de maio, recuperando, com isso, uma parte da retração de 2,5%, mostrada no mês anterior. No ano, os transportes acumularam 14,9%. 

“Os serviços de tecnologia da informação e o transporte de cargas foram os motores que impulsionaram o resultado de maio. O transporte de cargas, especialmente o rodoviário, além de atender à demanda do comércio eletrônico e do setor agropecuário, também tem sido importante para o setor industrial, notadamente os bens de capital e os bens intermediários, que são as categorias de uso que operam acima do nível pré-pandemia”, salienta.

Ao avançar 1,8%, o transporte de cargas chegou ao ponto mais elevado da série histórica, que começou em janeiro de 2011.

Setor de serviços paulistano avança 11,2% em abril

Ainda sobre serviços, o que inclui a segurança privada, por exemplo, segundo Pesquisa Conjuntural do Setor de Serviços (PCSS), realizada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), pelo portal Jornal de Jundiaí, o faturamento real das organizações do setor na capital paulista chegou a R$ 50,5 bilhões no mês de abril, um crescimento de 11,2% ante o mesmo período de 2021. No acumulado do ano, o aumento é de 11,5%, e, nos últimos 12 meses, 16,2%. A pesquisa analisou 13 atividades, sendo que oito tiveram expansão, em comparação com abril de 2021.

Encontre publicações de diversos segmentos e nichos só aqui no portal Universo de Negócios!