Análise da B3 aponta que o financiamento de veículos usados cresceu 20% em março de 2021

Números do mercado apontam para um cenário positivo no financiamento de carros usados e seminovos. Compromisso financeiro tem uma das menores taxas de inadimplência do país

De acordo com informações divulgadas em um relatório da B3, a bolsa de valores oficial do Brasil, o financiamento de automóveis cresceu 20% em março de 2021, quando comparado com março de 2020. No total, foram vendidas 302 mil unidades este ano – em 2020, 252 mil veículos foram vendidos.

Motos e caminhões usados também obtiveram números animadores. No mês de março de 2021, o mercado de motocicletas vendeu 20 mil unidades, apresentando um crescimento de 39,1% em relação a 2020. Enquanto isso, caminhões usados alcançaram o crescimento de 17,7% no mesmo período, vendendo 13 mil unidades aproximadamente.

O mercado de veículos usados no Brasil

O estudo também mostra os números de financiamentos para veículos usados, uma categoria que, historicamente, supera a de financiamentos para carros novos. Em 2021 não foi diferente: no primeiro trimestre de 2021, o financiamento de carros usados representou 71,4% de todas as transações. 

Tatiana Masumoto, superintendente de planejamento da B3, explica o cenário com mais detalhes: “no compilado de janeiro a março, percebemos que os veículos usados continuam representando a maior parcela das vendas a crédito e também notamos maior procura por financiamento de veículos leves com maior tempo de uso. Alguns fatores podem explicar a redução de oferta de carros zero km no mercado, como a paralisação de montadoras com o agravamento da pandemia e a falta de insumos”.

De acordo com Cristiano Dantas, diretor comercial da Tecnobank, veículos novos só devem recuperar o seu ritmo de vendas em 2025, de acordo com dados da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave). Um levantamento do Serasa Experian aponta que o financiamento de veículos é uma das prioridades para famílias brasileiras, sendo um compromisso financeiro com apenas 10% de inadimplência, aproximadamente. 

Dantas explica que um dos motivos para tamanha assiduidade é o crescimento de aplicativos de transporte: “como, em geral, o próprio carro é dado como garantia do pagamento do financiamento, a grande maioria preza pelo pagamento em dia para não perder o seu instrumento de trabalho e não arriscar o sustento da casa”.

Quais são as vantagens de se financiar carros usados?

Especialistas apontam que, ao sair da concessionária, a depreciação de um carro novo pode chegar a 20% de seu valor total, diminuindo o seu valor de venda em 10% a cada ano. Por isso, motoristas que desejam fazer um negócio mais vantajoso podem encontrar em carros usados e seminovos uma boa solução para economizar. 

Alguns compradores relatam ainda que a compra pode ser mais vantajosa por conta dos acessórios, que costumam ser mais completos em carros com algum tempo de uso. Números do mercado também indicam que a compra de usados pode ser mais favorável no aspecto da documentação, já que muitos veículos usados têm impostos, como o IPVA e o DPVAT, pagos de antemão. 

A relação entre a saúde e o financiamento de veículos

De acordo com dados da PoderData, 68% dos brasileiros consideram o uso de transporte coletivo “muito arriscado” durante a pandemia do coronavírus, enquanto 25% preveem um risco moderado. Essa é uma realidade que tem se solidificado nos últimos meses e ainda não demonstra sinais de enfraquecimento: 68% dos entrevistados afirmam que continuarão a usar carros mesmo após a pandemia. 

Ainda de acordo com Cristiano Dantas, essa preocupação impulsionou consideravelmente a venda de carros durante a pandemia, impactando também o mercado de aluguel de veículos, que passou de 1 milhão de diárias por mês para 1,4 milhão, de acordo com levantamento da locadora Movida.

Encontre publicações de diversos segmentos e nichos só aqui no portal Universo de Negócios!