Setor têxtil mostra bons resultados em contratações e faturamento em 2021

Setor apresenta sinais gerais de recuperação, mas o crescimento ainda não supera os números de 2019. Apesar desse cenário, o e-commerce está em ascensão

De acordo com os dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), foram criados 117.128 novos postos de trabalho no setor têxtil. Considerando a rotatividade, o saldo de empregos criados é de 15 mil pessoas. O setor, que havia sofrido baixa por causa da pandemia da Covid-19, se recupera. Em comparação com 2020, que teve um saldo de 3.236 contratações, o crescimento de 2021 representa um aumento de 370%.

A Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit) estima que o faturamento do setor tenha sido de R$ 194 bilhões no ano passado, indicando crescimento de 20% em relação a 2020. O que evidencia uma tendência de recuperação do segmento, mesmo que os números ainda não tenham superado os valores de 2019.

Produção da indústria têxtil deve crescer 1,2% em 2022

Para este ano, porém, ainda de acordo com a Abit, a estimativa é que o crescimento da produção têxtil brasileira recue. A associação prevê um avanço de apenas 1,2% na produção e de 1% nas vendas internas. Em declaração à imprensa, Fernando Pimentel, presidente da Abit, disse que o principal motivo para a desaceleração do crescimento é o comprometimento do poder de consumo da população devido ao aumento da inflação. 

Além disso, Pimentel apontou outros fatores que podem prejudicar os resultados do setor: o risco do retrocesso no livre funcionamento do comércio físico, dependendo do número dos casos de Covid; o afastamento de funcionários por causa da infecção pelo coronavírus; e os resultados das eleições presidenciais de outubro e seus desdobramentos para o setor.

E-commerce cresce no país durante a pandemia

Apesar da Abit não divulgar dados mais específicos sobre os tipos de venda do setor, de acordo com o Relatório E-commerce no Brasil divulgado em abril de 2021, realizado pela agência Conversion, o segmento de Moda & Acessórios cresceu 63,18%.

“O formato de negócio que trabalha mais com o digital cresceu na pandemia, e consumidores de diferentes idades e rendas passaram a comprar mais pela internet. Principalmente um público mais maduro, de mais de 35 anos, que começou a comprar on-line na pandemia e tem se sentido cada vez mais à vontade para fazer esse tipo de consumo. Também é interessante notar que consumidores de ‘primeira compra na internet’ cresceram de maneira significativa nesse período”, afirma Rafael Freitas, cofundador da Charme do Detalhe, loja on-line especializada em capa para cadeira, com produção têxtil localizada em Ibitinga (SP).

Encontre publicações de diversos segmentos e nichos só aqui no portal Universo de Negócios!