Segundo informações, setor de brinquedos segue em alta

O presidente da Associação Brasileira dos Fabricantes de Brinquedos (Abrinq), Synésio Batista da Costa, participou da feira de jogos e brinquedos de Hong Kong e trouxe uma série de informações importantes para os associados da entidade.

Na opinião de Synésio, devido a uma série de motivos, os fabricantes mundiais tiveram seu volume de vendas bastante alterado no ano passado, mesmo que as vendas mundiais do setor tenham crescido.

Essas informações são do relatório anual de 2016 da NPD Group’s Global Toy Market Report, que afirmou que o mercado mundial de brinquedos registrou faturamento de US$ 89 bilhões em 2016 e está em constante crescimento, de 2,3% ao ano, desde 2011, crescimento este que foi de 4% em 2016.

Somado a isso, os maiores licenciadores do mercado não vêm criando “best-sellers”, o que abre mais espaço para os criadores de brinquedos e anima os fabricantes que apostam em marcas próprias.

O presidente da Abrinq verifica um movimento de fabricantes chineses independentes atuando para que tenham linhas próprias, migrando sua manufatura para países como Malásia, Filipinas e Vietnã, devido ao aumento sistemático dos custos de produção na China, entre outros fatores.

Mercado de brinquedos no Brasil

O movimento de vários fabricantes chineses e norte-americanos abrirem os olhos para a América Latina, em especial o Brasil, mostra uma realidade aumentada para o mercado nacional, de acordo com Synésio, já que está concentrado em cinco ou seis grandes importadores.

Na sua opinião, porém, o perigo está na redução robusta das importações, o que coloca o mercado nacional bem próximo ao limite da capacidade instalada para o atendimento da demanda nacional.

Duas das maiores redes de varejo, juntas, detêm 40% das vendas de brinquedos, enquanto as outras 20 cadeias especializadas ficam com.uma porcentagem próxima a 45%. Os 15% restantes ficam por conta dos, aproximadamente, 8 mil pontos de venda no Brasil.

Quantidade de brinquedos per capita no Brasil

A indústria nacional tem a oportunidade de ampliar sua capacidade fabril nos próximos três a cinco anos, já que o mercado ainda conta com legítimos mecanismos de compensação.

Ao passo que os europeus presenteiam as crianças com, aproximadamente, 30 brinquedos per capita no ano e os norte-americanos dão, em média, 28 presentes, os brasileiros ofertam às crianças, apenas, 6 brinquedos por ano, já considerando as que vão ganhar presentes e as que não. Logo, há muito o que crescer.

Aproximadamente, são 45 milhões de crianças consumidoras no Brasil, além de uma taxa de natalidade diária bem estruturante. Em 1996, depois da grande depressão do setor, a participação de mercado dos fabricantes nacionais era de 38%.

Nesses anos, porém, com tudo o que esteve ao alcance da Abrinq pelo setor em conjunto com vários setores Federais, Estaduais e Municipais, a participação está em torno de 58%.

Ao observar o desempenho da indústria nacional, nos últimos anos, o faturamento apresenta crescimento desde 2009, com a produção assumindo maior participação dos brinquedos importados.

O faturamento total da indústria, em 2017, tomando como base o preço do varejo, foi de R$ 10,5 bilhões, representando um crescimento de 8,5% em relação a 2016.

Com tanto foco no mercado nacional, os brasileiros estão dando muito mais espaço às empresas locais. Seja para comprar brinquedos para crianças de 3 anos ou brinquedos para crianças de 5 anos, a É Pra Presente conta com as melhores opções, com a mais alta qualidade e o melhor custo-benefício do mercado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *