Nova LGPD começou a vigorar a partir do dia 18 de setembro

Depois de algumas tentativas de adiamento, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) entrou em vigor no dia 18 de setembro. A partir dessa data, as empresas serão obrigadas a obter autorização de clientes para o uso de seus dados pessoais, bem como atuar de forma transparente na coleta e armazenamento de informações.

Dessa forma, cabe ao titular dos dados consentir ou não a sua utilização, podendo solicitar até a exclusão das informações por parte das empresas. Caso a lei seja desrespeitada, deverão ser aplicadas advertências e multas que podem corresponder a até 2% do faturamento das companhias, com um limite estabelecido de R$ 50 milhões. 

Em alguns casos, entretanto, exceções ocorrem. A coleta de informações para operações de cobrança e análise de crédito ainda é permitida sem o consentimento expresso do usuário. Isso ocorre porque esse é um fim justificado. Nesse setor, portanto, a maior mudança não estará no acesso aos dados, mas sim no gerenciamento deles.

Sancionada ainda durante o governo Temer, em agosto de 2018, a LGPD deveria ter entrado em vigor dois anos depois. Porém, ao longo dos últimos 20 meses, já sob a presidência de Jair Bolsonaro, foram várias as tentativas de adiamento da lei na Câmara, no Senado e por meio da Medida Provisória nº 259/2020, editada pelo Governo Federal.

Tal medida tinha como objetivo adiar os efeitos da lei para maio de 2021. A Câmara, no entanto, aprovou o texto, diminuindo o prazo para o final de 2020, data rejeitada pelo Senado, que determinou que a LGPD entrasse em vigor já em setembro deste ano. As empresas terão, ainda, 18 meses para se adaptarem à nova regulamentação.

O que é a LGPD?

Inspirada na GDPR da União Europeia – General Data Protection Regulation, a LGPD visa proteger os dados pessoais dos cidadãos brasileiros, cabendo a cada companhia e órgãos públicos obter autorização do titular para coletar, armazenar e utilizar essas informações – como nome, endereço, e-mail, telefone, número de identidade, entre outras. Exceto em alguns casos, como, por exemplo, determinação do score e procedimento de cobranças. 

Com a lei em vigor, o Brasil é, agora, um dos 120 países em todo o planeta que possui regulamentações para a proteção de dados. Vale destacar que a GDPR europeia foi aplicada em 2019 e já é modelo em várias partes do mundo, tendo, inclusive, influência direta na lei brasileira.

Exceções

Apesar de ser uma ferramenta que visa à proteção de dados, a LGPD permite o uso de informações sem o consentimento do cidadão em alguns casos específicos, como:

  • Cumprimento de obrigações legais e regulatórias;
  • Procedimentos de cobrança;
  • Análise de crédito e determinação de score;
  • Execução de políticas públicas;
  • Viabilização de estudos e pesquisas, desde que garantido o direito de anonimato das pessoas;
  • Validação de direitos por meio de contratos e processos judiciais, administrativos e arbitrais;
  • Proteção da integridade física e moral dos envolvidos;
  • Garantia sanitária e de saúde.

Excelência em gestão de dados

Considerada o Bureau de Dados com o melhor custo-benefício do mercado, a Unitfour é uma empresa especializada em consultoria de dados que está em conformidade com a LGPD, tendo em sua base de clientes as maiores companhias de diferentes segmentos no Brasil.

A Unitfour atua com os serviços de validação de documentos, consultas de negativação e Imposto de Renda, disparos de e-mail marketing e SMS, análise de crédito, quiz antifraude, face match, entre outros serviços.

Avatar

Encontre publicações de diversos segmentos e nichos só aqui no portal Universo de Negócios!